O cenário político do Período Regencial

 

Com o fim do Primeiro Reinado, a regência se instalou como uma forma de governo provisório que deveria preservar a ordem imperial na medida em que esperava o alcance da maioridade de Dom Pedro II.

 

 

Mesmo sendo transitória, a regência foi de suma importância para que as figuras políticas brasileiras ganhassem maior relevância a partir de então. Já em um primeiro instante, vemos que diversos cargos públicos ocupados por lusitanos foram então assumidos por dirigentes nascidos aqui no Brasil.

Ao mesmo tempo, a saída de Dom Pedro I abriu espaço para que o desenvolvimento nacional e as atribuições políticas do Estado fossem alvo de recorrente discussão. Não se limitando aos redutos políticos oficiais, vemos que membros da elite econômica e outros setores médios da população organizavam reuniões em que falavam sobre as atribuições do imperador, o sistema eleitoral, as ações do legislativo, e outras questões da época.

Entre outras tendências, vemos que os portugueses resistentes no Brasil, burocratas e outros militares defendiam o retorno de Dom Pedro I ao governo imperial. Conhecido como “restaurador”, esse grupo tinha uma orientação política bastante conservadora. Manifestavam-se a favor de um governo fortemente centralizado, em que o rei tivesse ao seu alcance a maioria das importantes decisões políticas. Com a morte de D. Pedro I, em 1834, esse “partido” da época acabou se dissolvendo.

Conhecidos como “chimangos”, os liberais moderados eram integrados basicamente pela grande aristocracia agrária situada na região Centro Sul do país. Comportavam-se de modo favorável ao regime monárquico, defendiam o voto censitário e o afastamento das camadas populares do processo político. Além disso, acreditavam que a ordem política e a unidade territorial só seriam preservadas na medida em que o poder estivesse centralizado nas mãos do monarca.

O cenário político regencial foi demarcado pela atuação política dos liberais exaltados – também conhecidos como “jurujubas” e “farroupilhas”. Geralmente integrado por homens livres despossuídos, pequenos proprietários e pequenos comerciantes, esse grupo lutava pela descentralização do poder político, pela ampliação do poder das províncias, pela extinção do Poder Moderador e pelo fim do caráter vitalício do cargo de Senador.

Com o passar do tempo, observamos que a hegemonia política dos liberais moderados acabou dando origem à duas outras facções: os liberais e conservadores. Os liberais defendiam a realização de algumas concessões que davam maior liberdade às instituições políticas províncias. Já os conservadores se agarravam ao discurso centralizador. Por fim, vemos que a mesma origem social destes dois grupos determinava um cenário político quase único ao Brasil Imperial.

 

Fonte: Mundo Educação

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s