“A crise do Antigo Regime” e “A definição enciclopediana de monarquia absoluta e despotismo”

Lá vai mais um fichamento feito por nós, ‘detetivesdahistoria’, sobre os textos “A crise do Antigo Regime” e “A definição enciclopediana de monarquia absoluta e despotismo”, falando sobre relações entre ambos.

Os textos “A crise do Antigo Regime” e “A definição enciclopediana de monarquia absoluta e despotismo” são textos usados para fins didáticos, que têm como contexto a época das luzes, séculos XVII e XVIII e os temas existentes em ambos contém relações.

No texto “A crise do Antigo Regime”  por exemplo, cita que os maiores motores para que os despotismos surgissem, foram os pensamentos iluministas, que pregavam a razão ao invés do “sentimentalismo” da igreja, buscavam as explicações por meio de métodos científicos e não pela religião, procuravam a implantação de uma nova filosofia de governo e leis, baseada na racionalidade, até mesmo a igreja, para ambos, deveria ser racionalizada a certo ponto.

Para ambos autores, o conceito de despotismo esclarecido se resume geralmente à uma autoridade que começa a pensar na razão, refletindo sobre as ideias iluministas, sobre as liberdades e tentando implantar esses ideais, o que é um conceito pequeno pelas flexibilidades deste assunto.

Ao mesmo tempo que os déspotas que se diziam liberais e racionais, com ideais de igualdade, tinham o poder supremo e soberano de tirar esses privilégios novamente, ou seja, defendiam a liberdade mas podiam acabar com essa liberdade quando bem quisessem, sem empecilhos ou dificuldades, concluindo assim como Alexander, que o conceito de despotismo esclarecido não existia realmente ao pé da letra, era apenas uma faixada.

Ambos autores citaram grandes nomes importantes para o esclarecimento iluminista, como Diderot com a Enciclopédie, Montequieu com o “Espírito das Leis” que falava sobre a divisão dos poderes do Estado, Voltaire com suas críticas a Igreja e às Cartas Inglesas, Rosseau com seu ponto de vista sobre a corrupção do homem e Adam Smith com suas ideias do Liberalismo, que tornaram-se os mais notáveis filósofos difundidores das ideias do iluminismo.

Como conclusão, os autores praticamente dissertam sobre o mesmo assunto, de modos diferentes, em “A crise do Antigo Regime” o assunto é mais geral, mas trata de assuntos mais diversos, como os economistas fisiocratas, que lutavam pelas liberdades econômicas, apoiados no liberalismo, enquanto o texto “A definição enciclopediana de monarquia absoluta e despotismo”, tratava mais do assunto de despotismo e monarquia absoluta mais profundamente, no ponto de vista do autor, que critica principalmente o conceito de despotismo, lógicamente que os dois assuntos são totalmente interligados, salvo que foram causa e efeito uns dos outros, como o iluminismo foi a causa do efeito déspota e liberal e de muitos outros acontecimentos.

Enfim, são dois textos brilhantes que tratam com perfeição e  maestria, os assuntos Absolutistas, Iluministas, Liberais, Filosóficos, Despotistas, finalmente a luz da razão no caminho dos homens.

por: detetives

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s