Ícone da Semana – Diderot

 

Denis Diderot foi um notável escritor francês, idealizador, enciclopedista e também filósofo, nasceu em Langres, na França, no ano 1713 e morreu em 1784 na “cidade luz”, Paris. Ficou bastante conhecido por suas produções literárias e pelas reformas na encilopédia. Diderot foi um precurssor da produção literária, transformando a literatura em um ofício, mas sempre foi um “filósofo de carteirinha‘, sempre se preocupando com a natureza do do homem. Por estas e muitas outras qualidades acima da méida, Denis Diderot ganhou o posto de Ícone desta semana.

 

Ele disse:

— O homem só será livre quando o último déspota for estrangulado com as entranhas do último padre”.

— “Cuidado com qualquer pessoa que queira trazer a ordem”.

 

 

Era ateu e extremamente materialista, no entanto, antes tinha estudado com os jesuítas e iniciado a sua carreira como eclesiástica, mas isso não o impediu de ser ateu. Graduou-se em Artes na cidade de Paris entre os anos de 1729-1732, mas foi um grande estudioso de leis, literatura, filosofia, e ainda, matemática. Além disso, Diderot foi um grande espirador da Revolução Francesa e um dos grandes símbolos iluministas.

Durante o ano de 1745 foi contratado pelo produtor Andre Le Breton com o intuíto de traduzir uma enciclopedia inglesa. Depois disto, passou a trabalhar com o filósofo Jean Le Rond d’Alembert, organizando outra enciclopédia. Esta foi de grande inspiração racionalista e materialista e de grande influencia e inspiração aos líderes da Revolução Francesa, propondo uma imediata separação entre a Igreja e o Estado, e ainda, o combate as superstições e as diversas manifestações de pensamento entre elas as instituições religiosas.

Sua filosofia, exposta fragmentariamente, às vezes contraditória, foi a primeira a ser elaborada com base em dados fornecidos pelas ciências exatas, numa espécie de materialismo científico. Meditando sobre as descobertas dos sábios de sua época, chegou a conclusões realmente geniais, tendo pressentindo as teorias da evolução, a constituição celular dos seres vivos e esboçado métodos que pressentem os de Lamarck, Claude Bernard e Taine. Não esquecendo, as obras de Diderot voltadas para a literatura desdobrou-se em diversos gêneros, porém, de forma contraditória e irregular.

Trabalhos realizados: Pensées philosophiques (1746), Lettre sur les aveugles à l’usage de ceux qui voient (1749), Prospectus (1750), Dictionnaire raisonné des sciences, des arts et des métiers(1750), Encyclopédie (1751-1772), Discours préliminaire da Enciclopédia, e Jacques le Fataliste et son maitre (1796), La Religieuse (1796), Eléments de physiologie (1774-1780) e Le Neveu de Rameau (1821). Publicou também, peças teatrais sem ter obtido êxito, destacou-se mais nos romances, seguindo as normas dos humoristas ingleses. A peça inicial de cunho literário em sua carreira foi Lettres sur les aveugles à l’usage de ceux qui voient (resumindo o seu pensamento do deísmo ao cepticismo e o materialismo ateu).

 

Obs: Pedimos desculpas pelo Ícone não ter sido postado ontem, na Quarta-Feira (05/09), pois não estávamos disponíveis na data, nossas sinceras desculpas, mas hoje Quinta-Feira(06/09), está aí o nosso ícone.

 

Fonte: suapesquisa.com e infoescola.com

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s