Foto histórica mostra o primeiro voo dos irmãos Wright há 109 anos

 

Imagem flagra o momento exato em que a aeronave dos aviadores norte-americanos saiu do solo.

Foto histórica mostra o primeiro voo dos irmãos Wright há 109 anos

 

De acordo com o site The Atlantic, a foto acima, de 17 de dezembro de 1903, flagra o exato momento em que Wilbur e Orville Wright conseguem, pela primeira vez, levantar voo com uma aeronave “mais pesada do que o ar” — designada dessa forma por usar partes de sua estrutura ou as próprias asas como meio de sustentação — na Carolina do Norte.

Segundo a publicação, na imagem de autoria de John T. Daniels é possível ver Orville Wright deitado sobre os controles enquanto Wilbur corre ao lado da aeronave, acompanhando a decolagem. Contudo, apesar de ser tão celebrado — e despertar discussões acaloradas até hoje —, o “avião” dos irmãos Wright só saiu do chão graças a uma espécie de estilingue gigante que catapultou o dispositivo.

O brasileiro Santos Dumont, conhecido como o Pai da Aviação, foi o primeiro homem a voar com uma aeronave impulsionada por um motor a gasolina, em outubro de 1906, dispensando o uso de rampas de lançamento.

 

Fonte: The Atlantic e Tecmundo

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

Anúncios

Invenção da Semana – Tear Mecânico

 

A invenção desta semana é, sem dúvidas, um dos símbolos mais importantes da Revolução Industrial, um símbolo que naquela época exalava tecnologia, juntamente com a máquina a vapor, chegando a ser considerado uma das primeiras fagulhas sobre a I.A., a Inteligência Artificial, é com grande honra que nós Detetives da História apresentamos o tear mecânico.

 

 

Paradoxalmente, a história do tear vincula-se a dois fracassos.

Edmund Cartwright (1743-1823), inventor inglês do primeiro tear mecânico, fracassou no seu intento de comercializar industrialmente as máquinas que criara.

Outros, entretanto, obtiveram sucesso, como o francês Joseph-Marie Jacquard (1752-1834), que inventou, em 1801, um sistema de automatizar a tecelagem por meio de cartões perfurados que serviam de guia para a máquina tecer os padrões de cores dos brocados de seda produzidos.

Foi para fábricas têxteis como esta que Goya criou uma série de tapetes de grande beleza. Inspirado no tear de Jacquard, o matemático inglês Charles Babbage (1792-1871) projetou, em 1822, uma máquina analítica precursora dos primeiros computadores. Esta usava os cartões perfurados como mecanismo de entrada e saída de dados.

Porém, o projeto de Babbage, que exigia peças de alta precisão para a época, não foi adiante.

Melhor sorte teve o contador norte-americano Herman Hollerith (1860-1929), fundador da International Business Machine (IBM), que aplicou o sistema Jacquard-Babbage nas máquinas de calcular utilizadas no censo de 1890 dos Estados Unidos, três vezes mais rápidas que as calculadoras existentes até então.

A era dos computadores velozes estava apenas dando os primeiros passos.

 

Fonte: discursus.com

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

Revolução Industrial

A Revolução Industrial é para nós Detetives, resumida em algumas “palavras-chave”, são elas:

-“Inglaterra”;

-“transformação”;

-“maquinofatura”;

– “máquina a vapor”;

-“liberalismo econômico”;

-“nova divisão de trabalho”

-“racionalização do trabalho” .

 

A Revolução Industrial teve seu estopim na Inglaterra, no final do século XVIII, onde uma série de transformações, tanto no âmbito econômico quanto no social, um influenciando diretamente no outro, transformando e aumentando a capacidade da produção; a máquina a vapor eficientemente mudou a mineração, a metalurgia, a tecelagem, entre outras atividades.

Não se engane, estas mudanças não ocorreram de uma hora para a outra, vinham em formação desde a Época Moderna e também não tão fácil, pois mesmo com um comércio tecnologicamente avançado, a Inglaterra ás vezes importava mais do que exportava, criando uma desproporcionalidade.

Alguns livros didáticos e historiadores fragmentam a Revolução Industrial em dois pedaços:

Primeira Revolução Industrial à está entre o final do século XVIII e a década de 1830, sendo que as maiores mudanças foram na área do sistema fabril ligado a produção de tecido de algodão.

Segunda Revolução Industrial à o ápice foi a partir de 1850 e a principal mudança foi na parte da metalurgia, principalmente na produção do ferro e construções de ferrovias.

No decorrer do tempo, Adam Smith, grande personagem histórico, criou sua teoria do liberalismo econômico, onde o estado não interviria na economia, fazendo com que, mais do que nunca, a Inglaterra, com seu pioneirismo comercial, evoluísse ainda mais seu comércio.

A nova divisão do trabalho tem a ver com as fábricas, com o regime de trabalho implantado a partir desta nova ferramenta de produção, calcula-se que as horas diárias de um trabalhador chegavam a 12 horas, preços baixos e tecidos de qualidade, faziam com que a Inglaterra, estimulasse seu comércio.

-Texto produzido pelos Detetives da História, a partir da leitura do Cap.6 de nosso livro didático.

Enfim, para terminar, um breve conceito sobre o que foi a Revolução Industrial, retirado do site Nota Positiva, que achamos interessante, principalmente pelo fato de ser uma outra fonte, não sendo o nosso livro didático.

Revolução Industrial –

A expressão “Revolução Industrial” refere-se ao conjunto de transformações técnicas e econômicas que se iniciaram em Inglaterra na segunda metade de século XVIII e que ao longo do século XIX se espalharam por praticamente toda a Europa e América do Norte. A invenção da máquina a vapor e a sua posterior aplicação à indústria e aos transportes é considerada como a grande causa do despoletar da Revolução Industrial. De fato, foi a máquina a vapor que provocou a rápida e drástica alteração dos modos de produção, nomeadamente a passagem da manufatura para a maquinofatura e o surgimento de técnicas de organização e racionalização do trabalho e de produção em massa.

Fontes:  notapositiva.com e Livro Didático – História – Ensino Médio de Ronaldo Vainfas, Sheila de Castro Faria, Jorge Ferreira e Georgina dos Santos

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

 

Uma breve história sobre a Civilização Suméria

Os Sumérios foram o primeiro povo a habitar a região da Mesopotâmia, o atual Iraque, compreendida entre os rios Tigre e Eufrates. O motivo da sua chegada ainda é ignorado, mas provavelmente tenha sido a falta de comida e água, já que os Sumérios viviam como nômades vagando pelo Planalto do Irã e no alto dos Montes Zagros. 


Além da água e comida encontradas em abundância na região, outro fator que explica a sedentarização dos Sumérios era a segurança com que viviam na Mesopotâmia, pois aquela área é cercada por algumas cadeias montanhosas ao norte e à oeste, pelo Golfo Pérsico ao sudoeste, e pelo deserto da Síria ao sul e leste. Isso os dava uma grande proteção a ataques de outros povos que viviam nas proximidades dali.

O povo responsável pelos primeiros templos e palácios monumentais, pela fundação das primeiras cidades-estado e provavelmente pela invenção da escrita (tudo no período de 3100 a 3000 a.C.) são os Sumérios. Os primeiros sinais escritos são pictográficos, de modo que podem ser lidos em qualquer idioma e não se pode inferir de que idioma eles vieram especificamente. Um pictograma para flecha, por exemplo, quer dizer flecha em qualquer idioma. Alguns séculos mais tarde, entretanto, estes sinais foram usados para representar valores fonéticos sumérios e palavras sumérias. O pictograma para uma flecha passa a ser usado para representar ‘ti’, a palavra suméria para flecha, e também para o som fonético ‘ti’ em palavras não relacionadas com flecha. Portanto, em geral supõem-se que os sumérios foram também responsáveis pelos sinais pictográficos, possivelmente com grande influência dos elamitas. Se os sumérios não são aqueles que na realidade inventaram a escrita, então no mínimo eles são responsáveis por rapidamente adotar e expandir a invenção da escrita para servir às suas necessidades de contabilidade (as primeiras tabelas são predominantemente de natureza econômica).
O nome Suméria é derivado do nome babilônico para Sul da Babilônia. Os sumérios chamavam seu país de ‘ken.gi(r)’ – terra civilizada – seu idioma ‘eme.gir’ e a si mesmos chamavam de ‘sag.gi 6.ga’ – de cabeças escuras. O idioma sumério não é semítico, sendo uma linguagem aglutinante, como finlandês e japonês. Ou seja, este termo designa uma tipologia de idiomas que contrasta com linguagens de inflexão, como os idiomas indo-europeus.Numa linguagem aglutinante (ou aglutinativa), as palavras do idioma são compostas por elos que se combinam entre si, em geral em seqüências bastante longas. Em idiomas de inflexão, o elemento básico (raiz) da palavra pode variar, daí ser chamado de inflexão.

Sumério não tem relação conhecida com qualquer outro idioma. Parece haver uma relação remota com os idiomas dravídicos (como o falado pelos Tamis no Sul da Índia). Há evidências de que idiomas dravídicos eram falados no Norte da Índia, tendo sido deslocados pelos invasores indo-europeus ao redor de 1500 a.C.. O termo ‘de cabeça escura’ pode significar que os sumérios tenham sido um ramo daqueles que moram hoje no sul da Índia.

Podemos citar como invenções Sumérias/Elamitas os selos cilíndricos. Selos cilíndricos são pequenos cilindros de pedra (entre 2 e 6 cm) esculpidos com desenhos em entalhe. O cilindro era rolado sobre tábuas de argila, envelopes, cerâmicas e tijolos, para marcar ou identificá-los. Seu uso coincide com o início do uso de tábuas escritas de argila ao final do Quarto Milênio a.C. até o final do Primeiro Milênio a.C.. Tais selos eram usados como assinatura, confirmação de recebimento, ou para marcar blocos de construção.

 

Fonte: historiadomundo.com.br

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

Invenção da Semana – Lâmpada elétrica

No dia 21 de outubro de 1879, foi criada, pelo famoso norte-americano Thomas Edison a lâmpada elétrica incandescente. A nossa invenção desta semana surgiu na necessidade do uso de um modo de iluminar mais compacto, um modo que não precisasse do uso de inflamáveis, “um modo novo de fazer luz”, esta invenção é até hoje uma das mais importantes da história, foi ela que nos proporcionou avanços na iluminação elétrica e é com prazer que agradecemos Thomas Edison, nosso homenageado juntamente com sua brilhante invenção.

Em dezembro de 1879, Thomas Edison realizou a primeira demonstração pública da lâmpada após a instalação de um sistema completo de energia no laboratório Menlo Park. Thomas Edison também foi responsável pelo invento da vitrola e da câmera de cinema, em toda a sua vida fez 1093 patentes.

O projeto da lâmpada partiu de um filamento de carbono. Até 1879, a ideia de energia elétrica já existia, mas ainda não era usada nas casas das pessoas. A invenção da lâmpada levou o uso da eletricidade para a área doméstica e pouco a pouco começou a substituir os lampiões a gás.

Inicialmente, as redes elétricas de iluminação eram limitadas e concentradas  nos centros urbanos, mas já era o bastante para fazer da eletricidade algo economicamente viável no dia a dia, nas comunicações e na metalurgia.

Ao desenvolver a lâmpada elétrica, um dos principais desafios para Edison era detectar um filamento que permanecesse incandescente durante a transmissão da corrente elétrica. Resolveu cobrir os filamentos com um bulbo de vidro para isolar o oxigênio. Conclui o invento utilizando algodões carbonizados, o que possibilitou a luz por mais de 40 horas ininterruptas.

Anteriormente, tentou utilizar filamento de carvão que tinha pouca durabilidade, experimentou utilizar ligas metálicas e até de bambu.

 

 

Nos tempos atuais, os filamentos das lâmpadas incandescentes são feitos de tungstênio, um metal que só se funde numa temperatura de 3422 °C. Para que o filamento não entre em combustão e não se queime, na fabricação, retira-se todo o ar atmosférico presente nas lâmpadas, sendo substituídos por nitrogênio, argônio e criptônio.

Thomas Edison nasceu em 11 de fevereiro de 1847, em Ohio , Estados Unidos. Desde criança recebeu uma educação rígida. Sofria de oligofrenia e não costumava ser um grande aluno. Além da inventar a lâmpada, foi o criador do telégrafo duplex e da telegrafia de banda-larga. Também foi autor da descoberta a emissão de elétrons por metais incandescentes, conhecimento que geraria a lâmpada de diodo.

Fontes: noticias.terra.com.br, wikipedia e infoescola

Por: DetetivesDaHistoria

Morre na China a mulher mais alta do mundo

Tumor no cérebro tirou a vida da detentora do recorde de mulher mais alta do mundo, com 2,33 metros de altura, aos 40 anos de idade.

Morre na China a mulher mais alta do mundo
Yao Defen morreu com 40 anos e 2,33 metros de altura (Fonte da imagem: The Tallest Man)

De acordo com notícias divulgadas hoje na imprensa chinesa, a mulher mais alta do mundo, Yao Defen, morreu em meados de novembro passado, aos 40 anos de idade, devido a um tumor na glândula pituitária do cérebro, doença responsável também por fazer com que Defen crescesse tanto.

Nascida em 1972 na província de Anhui, a chinesa media 1,85 metros aos 13 anos de idade e ultrapassou a altura de 2 metros aos 15 anos. O gigantismo de Defen foi causado pelos hormônios de crescimento secretados por um tumor cerebral e, em 2006, depois de passar uma intervenção cirúrgica, a doença da recordista deixou de atormentá-la. Mesmo assim, os sintomas voltaram cerca de um ano depois, quando a família já não possuía condições de pagar por uma nova cirurgia.

Morre na China a mulher mais alta do mundo

                  (Fonte da imagem: The Tallest Man)

Pesando 200 quilos e calçando sapatos de número 55, Defen também sofria com hipertensão, desnutrição, osteoporose e diversas doenças cardíacas. O recorde de mulher mais alta do mundo foi constatado pelo “Guinness” em 2011 e Defen media 2,33 metros quando faleceu.

 

Fonte: Khaleej Times, Gazeta do Povo, Daily News e Tecmundo

Por: DetetivesDaHistoria

Invenção da Semana – Locomotiva a vapor

Como prometido, está aí o nosso novo quadro, o tema deste novo quadro semanal será “invenções”, invenções que possibilitaram grandes passos para a humanidade ou que somente proporcionaram luxo, independente da invenção, ela foi inventada e aqui no “Inventando a História”, falaremos sobre curiosidades e  história destas “bujigangas” que sempre nos perguntamos de onde vem.

Nossa primeira invenção é a Locomotiva à vapor, ela funciona com um motor a vapor que é dividido em três partes principais: a máquina térmica, que transforma a energia do vapor em trabalho mecânico; a caldeira, que produz o vapor usando o combustível e a carroçaria, que tem a função de suportar o peso da estrutura. O “tender” ou vagão-reboque  de uma locomotiva a vapor transporta o combustível e a água. Esta é uma invenção que teve seu ápice e deslumbrante descoberta durante a Revolução Industrial e temos a honra de apresentá-la.

 

A primeira locomotiva a vapor usando trilhos foi construída pelo engenheiro inglês Richard Trevithick e fez o seu primeiro percurso em 21 de Fevereiro de 1804. A locomotiva conseguiu puxar cinco vagões com dez toneladas de carga e setenta passageiros à velocidade vertiginosa de 8 km por hora usando para o efeito trilhos fabricados em ferro-fundido. Esta locomotiva, por ser demasiado pesada para a linha-férrea e avariar constantemente, não teve grande sucesso.

Outro inglês, John Blenkinsop, construiu uma locomotiva em 1812 que usava dois cilindros verticais que movimentavam dois eixos, unidos a uma roda dentada que faziam accionar uma cremalheira. Esta máquina usava também trilhos de ferro-fundido, que vieram substituir definitivamente os trilhos em madeira usados até aí. Estes trilhos ou linhas de madeira tinham sido desenvolvidos na Alemanha por volta do ano de 1550 serviam carruagens que eram puxadas por animais, principalmente por cavalos mas também, por vezes, à força de braços.

No entanto, o passo maior para o desenvolvimento da locomotiva e por consequência do comboio, seria dado por George Stephenson. Este inglês, mecânico nas minas de Killingworth, construiu a sua primeira locomotiva a quem chamou Blucher, corria o ano de 1814. A Blucher, que se destinava ao transporte dos materiais da mina, conseguiu puxar uma carga de trinta toneladas à velocidade de 6 quilómetros por hora. Stephenson viria a construir a primeira linha férrea Stockton and Darlington Railway, entre Stockton-on-Teese a região mineira de Darlington, que foi inaugurada em 27 de Setembro de 1825 e tinha 61 km de comprimento; quatro anos mais tarde, foi chamado a construir a linha férrea entre Liverpool e Manchester. Nesta linha foi usada uma nova locomotiva, batizada Rocket, que tinha uma nova caldeira tubular inventada pelo engenheiro francês Marc Seguin e já atingiavelocidades da ordem dos 30 km/h.

A máquina de Richard Trevithick

No início do século XIX, as rodas motrizes passaram a ser colocadas atrás da caldeira, permitindo desta forma aumentar o diâmetro das rodas e, consequentemente, o aumento da velocidade de ponta. O escocês James Watt, com a introdução de várias alterações na concepção dos motores a vapor, designadamente na separação do condensador dos cilindros, muito contribuiu também para o desenvolvimento dos caminhos de ferro.

Num ápice, as locomotivas passaram do vapor à electricidade. No dia 31 de Maio de1879, Werner von Siemens apresentou na Exposição Mundial de Berlim a primeira locomotiva eléctrica. No entanto, o seu desenvolvimento só foi significativo a partir de1890, mantendo-se a sua utilização até aos dias atuais.

Antes do meio do século XX, as locomotivas eléctricas e a diesel começaram a substituir as máquinas a vapor. No fim da década de 1960, a maioria dos países já tinha substituído a totalidade das locomotivas a vapor em serviço. Outros projectos foram desenvolvidos e experimentados, como as locomotivas com turbinas a gás, mas muito pouco utilizados.

Já no fim do século XX na América do Norte e na Europa o uso regular das locomotivas a vapor estava restrito aos trens com fins turísticos ou para entusiastas do comboio. No México, o vapor manteve-se com uso comercial até fins da década de 1970.

Da mesma forma ocorreu localizadamente no Brasil, onde no sul do país a Estrada de Ferro Tereza Cristina ainda operou essas máquinas até 1994. Locomotivas a vapor, continuam a ser usadas regularmente na China onde o carvão é muito mais abundante do que o petróleo. A Índia trocou o vapor pelo diesel e pela eletricidade na década de 1990. Em algumas zonas montanhosas o vapor continua a ser preferido ao diesel, por ser menos afetado pela reduzida pressão atmosférica.

 

Fonte: wikipedia

 

Por: DetetivesDaHistoria

 

A origem do Futebol

 

Neste post homenageamos o esporte-religião do Brasil, um esporte jogado pelos quatro cantos do mundo, a maioria dos historiadores diz que o futebol foi criado definitivamente na Inglaterra, mas fomos nós brasileiros que levamos a fama por sermos o a nação do futebol, no dia 19 de Julho se comemora o Dia do Futebol, e nós, detetives, disponibilizamos informações sobre a origem do esporte que faz as ruas ficarem vazias no domingo à tarde.

 

Charles Miller : pai do futebol no Brasil

 

Embora não se tenha muita certeza sobre os primórdios do futebol, historiadores descobriram vestígios dos jogos de bola em várias culturas antigas. Estes jogos de bola ainda não eram o futebol, pois não havia a definição de regras como há hoje, porém demonstram o interesse do homem por este tipo de esporte desde os tempos antigos.

O futebol tornou-se tão popular graças a seu jeito simples de jogar. Basta uma bola, equipes de jogadores e as traves, para que, em qualquer espaço, crianças e adultos possam se divertir com o futebol. Na rua, na escola, no clube, no campinho do bairro ou até mesmo no quintal de casa, desde cedo jovens de vários cantos do mundo começam a praticar o futebol.

História do Futebol : origens

Origens do futebol na China Antiga
Na China Antiga, por volta de 3000 a.C, os militares chineses praticavam um jogo que na verdade era um treino militar. Após as guerras, formavam equipes para chutar a cabeça dos soldados inimigos. Com o tempo, as cabeças dos inimigos foram sendo substituídas por bolas de couro revestidas com cabelo. Formavam-se duas equipes com oito jogadores e o objetivo era passar a bola de pé em pé sem deixar cair no chão, levando-a para dentro de duas estacas fincadas no campo. Estas estacas eram ligadas por um fio de cera.

Origens do futebol no Japão Antigo
No Japão Antigo, foi criado um esporte muito parecido com o futebol atual, porém se chamava Kemari. Praticado por integrantes da corte do imperador japonês, o kemari acontecia num campo de aproximadamente 200 metros quadrados. A bola era feita de fibras de bambu e entre as regras, o contato físico era proibido entre os 16 jogadores (8 para cada equipe). Historiadores do futebol encontraram relatos que confirmam o acontecimento de jogos entre equipes chinesas e japonesas na antiguidade.

Origens do futebol na Grécia e Roma
Os gregos criaram um jogo por volta do século I a.C que se chamava Episkiros. Neste jogo, soldados gregos dividiam-se em duas equipes de nove jogadores cada e jogavam num terreno de formato retangular. Na cidade grega de Esparta, os jogadores, também militares, usavam uma bola feita de bexiga de boi cheia de areia ou terra. O campo onde se realizavam as partidas, em Esparta, eram bem grandes, pois as equipes eram formadas por quinze jogadores.Quando os romanos dominaram a Grécia, entraram em contato com a cultura grega e acabaram assimilando o Episkiros, porém o jogo tomou uma conotação muito mais violenta.

O futebol na Idade Média
Há relatos de um esporte muito parecido com o futebol, embora usava-se muito a violência. O Soule ou Harpastum era praticado na Idade Média por militares que dividiam-se em duas equipes : atacantes e defensores. Era permitido usar socos, pontapés, rasteiras e outros golpes violentos. Há relatos que mostram a morte de alguns jogadores durante a partida. Cada equipe era formada por 27 jogadores, onde grupos tinham funções diferentes no time: corredores, dianteiros, sacadores e guarda-redes.

Na Itália Medieval apareceu um jogo denominado gioco del calcio. Era praticado em praças e os 27 jogadores de cada equipe deveriam levar a bola até os dois postes que ficavam nos dois cantos extremos da praça. A violência era muito comum, pois os participantes levavam para campo seus problemas causados, principalmente por questões sociais típicas da época medieval.
O barulho, a desorganização e a violência eram tão grandes que o rei Eduardo II teve que decretar uma lei proibindo a prática do jogo, condenando a prisão os praticantes. Porém, o jogo não terminou, pois integrantes da nobreza criaram um nova versão dele com regras que não permitiam a violência. Nesta nova versão, cerca de doze juízes deveriam fazer cumprir as regras do jogo.

O futebol chega à Inglaterra
Pesquisadores concluíram que o gioco de calcio saiu da Itália e chegou a Inglaterra por volta do século XVII. Na Inglaterra, o jogo ganhou regras diferentes e foi organizado e sistematizado. O campo deveria medir 120 por 180 metros e nas duas pontas seriam instalados dois arcos retangulares chamados de gol. A bola era de couro e enchida com ar. Com regras claras e objetivas, o futebol começou a ser praticado por estudantes e filhos da nobreza inglesa. Aos poucos foi se popularizando. No ano de 1848, numa conferência em Cambridge, estabeleceu-se um único código de regras para o futebol. No ano de 1871 foi criada a figura do guarda-redes (goleiro) que seria o único que poderia colocar as mãos na bola e deveria ficar próximo ao gol para evitar a entrada da bola. Em 1875, foi estabelecida a regra do tempo de 90 minutos e em 1891 foi estabelecido o pênalti, para punir a falta dentro da área. Somente em 1907 foi estabelecida a regra do impedimento.

O profissionalismo no futebol foi iniciado somente em 1885 e no ano seguinte seria criada, na Inglaterra, a International Board, entidade cujo objetivo principal era estabelecer e mudar as regras do futebol quando necessário.

No ano de 1897, uma equipe de futebol inglesa chamada Corinthians fez uma excursão fora da Europa, contribuindo para difundir o futebol em diversas partes do mundo.

Em 1888, foi fundada a Football League com o objetivo de organizar torneios e campeonatos internacionais.

No ano de 1904, foi criada a FIFA ( Federação Internacional de Futebol Association ) que organiza até hoje o futebol em todo mundo. É a FIFA que organiza os grandes campeonatos de seleções ( Copa do Mundo ) de quatro em quatro anos. Em 2006, aconteceu a Copa do Mundo da Alemanha, que teve a Itália como campeã e a França como vice.A FIFA também organiza campeonatos de clubes como, por exemplo, a Copa Libertadores da América, Copa da UEFA, Liga dos Campeões da Europa, Copa Sul-Americana, entre outros.

História do Futebol no Brasil

Nascido no bairro paulistano do Brás, Charles Miller viajou para Inglaterra aos nove anos de idade para estudar. Lá tomou contato com o futebol e, ao retornar ao Brasil em 1894, trouxe na bagagem a primeira bola de futebol e um conjunto de regras. Podemos considerar Charles Miller como sendo o precursor do futebol no Brasil.

O primeiro jogo de futebol no Brasil foi realizados em 15 de abril de 1895 entre funcionários de empresas inglesas que atuavam em São Paulo. Os funcionários também eram de origem inglesa. Este jogo foi entre FUNCIONÁRIOS DA COMPANHIA DE GÁS X CIA. FERROVIARIA SÃO PAULO RAILWAY.

O primeiro time a se formar no Brasil foi o SÃO PAULO ATHLETIC, fundado em 13 de maio de 1888.

No início, o futebol era praticado apenas por pessoas da elite, sendo vedada a participação de negros em times de futebol.

Em 1950, a Copa do Mundo foi realizada no Brasil, sendo que a seleção brasileira perdeu o título, em pleno Maracanã, para a seleção Uruguaia (Uruguai 2 x Brasil 1). Em 2014, a Copa do Mundo de Futebol será realizada novamente no Brasil.

 

Fonte: http://www.suapesquisa.com
Por: DetetivesDaHistoria

 

Retorno e novidade

 

Nós, Detetives da História, anunciamos nosso retorno para o 3° Bimestre letivo de 2012/2013, retornamos com sede de conhecimento e mais ideias do que nunca, voltamos das férias com uma novidade, o nosso antigo quadro ,o “Ícone da História”, vulgo “Ícone da Semana”, será substituído por um novo, o tema do quadro será diferente e poderá ou não se relacionar com nossos ícones, o dia de postagens continuará sendo nas quartas-feiras, o nosso novo quadro se chamará “Inventando a História”, fica a pista de quais serão nossos novos temas.

 

Enfim, como diria o detetive mais famoso da literatura ao seu fiel parceiro, mas principalmente em adaptações para o teatro:

 

– “Elementarmeu caro Watson.

 

e é no espírito de Sherlock Holmes e John Watson que nós começamos a desvendar a história neste 3° Bimestre.